tumor
O que é o câncer
O aparecimento de um tumor é sempre consequência de uma alteração no material genético de uma célula. Todas as células do nosso corpo se dividem (em velocidades variadas), e ao longo destas divisões, invariavelmente ocorrem alterações nos genes. Quando o organismo não consegue corrigir a mutação genética ou eliminar esta célula com mutação, e quando esta mutação faz com que a célula se divida de maneira exacerbada e descontrolada, surge o tumor....
Mais dados em favor de Trastuzumabe adjuvante para câncer de mama Her2+
Nova publicação combinada de dois estudos já conhecidos documenta benefício da administração de Trastuzumabe por um ano no tratamento adjuvante de mulheres com câncer de mama Her2+.  Na publicação, as pacientes já vem sendo seguidas em média por 4 anos, e o Trastuzumabe continua proporcionando uma redução do risco de morte por câncer de mama de 39% (em números absolutos, para cada 100 pacientes que recebem a medicação, sete deixarão de morrer pela doença graças à medicação). No contexto de uma doença com prognóstico pior por conta da proteína Her2, esta terapia deve fazer parte do tratamento de todas as...
Benefício parcial de Bevacizumabe em novo estudo
Bevacizumabe, uma medicação que inibe o crescimento de vasos que nutrem o tumor, vem sendo testado no tratamento do carcinoma de mama. Publicação do terceiro grande estudo testando a droga em mulheres com câncer metastático (estudo RIBBON 1) demonstra mais uma vez que a sua combinação com quimioterapia pode sim prolongar o tempo que uma mulher permanece livre de progressão do câncer (prolonga em poucos meses), mas não parece prolongar a vida das pacientes. A toxicidade das combinações de Bevacizumabe com diversos quimioterápicos foi significativa, mas aceitável. (J Clin Oncol 2011; 1252-1260)...
Esvaziamento axilar pode não mais ser necessário
Um conceito relacionado ao tratamento cirúrgico do câncer de mama está sendo revisto. Há décadas se tem o conceito de que havendo um ou mais linfonodos comprometidos por câncer na axila, este comprometimento indicaria obrigatoriamente o esvaziamento do restante dos gânglios na axila. Este conceito passa agora a ser questionado. O estudo em questão mostrou que para mulheres com tumores dentro de determinadas características (tumores <5 cm, axila sem gânglios palpáveis), mesmo documentando que o linfonodo sentinela está comprometido, esvaziar a axila, além de proporcionar o tratamento radioterápico, hormonal e quimioterápico, não é necessariamente melhor do que apenas proporcionar estas modalidades não...
Terapia anti-Her-2
Terapia anti-Her2 (Trastuzumabe, Lapatinibe, Pertuzumabe e T-DM1) é utilizada em todas as pacientes cujos tumores são maiores que meio centímetro e que tenham um aumento na chamada expressão de Her-2 (aumento da proteína na superfície da célula ou aumento na quantidade do gene Her-2 no núcleo das células). A hiperexpressão de Her-2 é observada em aproximadamente 20% das pacientes com câncer de mama. Embora estes tumores sejam mais agressivos, estas pacientes se beneficiam da existência de um alvo terapêutico e da disponibilidade de uma terapia-alvo. Para estas pacientes, a terapia anti-Her-2 é obrigatória, seja na adjuvância (tratamento pós-operatório para tentar...
Tipos de câncer de mama
O que é o câncer de mama? O câncer de mama consiste em um crescimento descontrolado de células da mama que adquiriram características anormais (células dos lóbulos, produtores do leite, ou dos ductos, por onde é drenado o leite), anormalidades estas causadas por uma ou mais mutações no material genético de uma célula destas estruturas. Existem mutações que fazem com que uma célula apenas se divida exageradamente, mas não tenha a capacidade de invadir outros tecidos. Isto leva aos chamados tumores benignos ou não cancerosos. Quando ocorrem mutações no material genético de uma ou mais células, e esta(s) adquire(m) a capacidade...
Radioterapia
Introdução e contexto da radioterapia Existe, nos dias de hoje, um grande leque de opções de tratamento para o câncer de mama. Para cada tipo e estadio da doença (extensão da doença), são várias as opções. Esta variedade de modalidades de tratamento pode parecer confusa ao paciente, mas segue regras bastante claras, que norteiam o tratamento de cada paciente. O princípio da terapia curativa do câncer de mama é a cirurgia. Embora a cirurgia não necessariamente tenha de ser o primeiro tratamento, sempre que há intenção curativa, a cirurgia deve fazer parte do tratamento. Em determinadas situações, dependendo do estadiamento da...
Determinação do prognóstico do câncer de mama
Fazem parte da determinação prognóstica do câncer a avaliação da extensão da doença (denominada de estadiamento) assim como a caracterização adicional da presença ou ausência de determinadas proteínas (testadas pela técnica denominada imunohistoquímica) ou a presença exacerbada de determinados genes. Além disso, a doença tem de ser necessariamente colocada no contexto da idade e comorbidades da paciente, seu suporte familiar e estrutura de apoio. Estadiamento (avaliação da extensão da doença) A extensão do câncer de mama tem de ser avaliada em todos os casos, pois ajuda a determinar a melhor estratégia de tratamento. O estadiamento leva em consideração o tamanho do tumor na...
Outros tratamentos
Em caso da presença de metástases ósseas Quando uma paciente apresenta metástases ósseas, além do tratamento sistêmico antitumoral (hormonioterapia, quimioterapia, terapia anti-Her-2), faz-se necessária a utilização de medicações que protejam os ossos de um comprometimento ainda maior pela doença. Nesta linha há hoje duas classes de medicações, e não há dados de que uma seja superior à outra. Bisfosfonados São medicações que estão disponíveis tanto para uso oral quanto para uso endovenoso. O benefício parece ser maior com as formulações de aplicação endovenosa. Das medicações endovenosas, a mais utilizada é o chamado ácido zoledrônico, que é injetado por via endovenosa...
Mamografia entre os 40 e 49 anos ajuda a salvar vidas
Novo estudo reforça a informação de que mamografia realizada entre os 40 e 49 anos de idade ajuda a salvar vidas. O estudo, feito na Inglaterra com 6710 mulheres que tinham uma história de câncer na família, realizou mamografias anuais por 4 anos. O resultado mostrou serem necessárias cinco mil mamografias para evitar uma morte por câncer de mama. Além de diminuir as mortes, o estudo mostrou que pacientes submetidas a mamografias eram diagnosticadas com tumores em estágios mais iniciais. Referência: Lancet Oncol 2010; 11: 1127–34...
1