hormonioterapia
Novidades no tratamento do câncer de mama
Foi realizada uma pesquisa que indica o uso de novas medicações no tratamento do câncer de mama metastático em mulheres cujos tumores apresentam receptores hormonais....
Sobrepeso prejudica eficácia da hormonioterapia
Já é conhecido o fato de que a obesidade está associada a um pior prognóstico do câncer em mulheres com doença metastática. Isto provavelmente se deve ao fato de que a maioria destas mulheres apresenta tumores que crescem com o estímulo do estrógeno, e o estrógeno parece estar aumentado nas mulheres menopáusicas obesas em comparação com as de peso adequado. Em mulheres que ainda não estão na menopausa, a origem do estrógeno são os ovários. Bloqueando a função ovariana e acrescentando seja Tamoxifeno (tratamento tradicional) seja Anastrazol (um inibidor de aromatase), um grupo austríaco avaliou se a obesidade influenciava a...
Hormonioterapia
A hormonioterapia é a classe de medicações mais efetiva de que dispomos para o tratamento de pacientes cujos tumores tenham expressão dos chamados receptores hormonais. Estes receptores são o receptor de estrógeno (RE) e de progesterona (RP), e sua presença qualitativa e quantitativa é determinada pela avaliação do tumor através da técnica denominada de Imunohistoquímica. Assim, absolutamente todo tumor de mama deve ser avaliado quanto à presença ou ausência destes receptores, e preferencialmente esta avaliação deve ser feita por um bom laboratório, com controles de qualidade adequados. A presença destes receptores (ou de apenas um deles) indica um benefício da...
Quimioterapia
Introdução e contexto da Quimioterapia Existe, nos dias de hoje, um grande leque de opções de tratamento para o câncer de mama. Para cada tipo e estadio da doença (extensão da doença), são várias as opções. Esta variedade de modalidades de tratamento pode parecer confusa ao paciente, mas segue regras bastante claras que norteiam o tratamento de cada paciente. O princípio da terapia curativa do câncer de mama é a cirurgia. Embora a cirurgia não necessariamente tenha de ser o primeiro tratamento, sempre que houver intenção de cura, a cirurgia deve fazer parte do tratamento. Em determinadas situações, dependendo do...
Terapia anti-Her-2
Terapia anti-Her2 (Trastuzumabe, Lapatinibe, Pertuzumabe e T-DM1) é utilizada em todas as pacientes cujos tumores são maiores que meio centímetro e que tenham um aumento na chamada expressão de Her-2 (aumento da proteína na superfície da célula ou aumento na quantidade do gene Her-2 no núcleo das células). A hiperexpressão de Her-2 é observada em aproximadamente 20% das pacientes com câncer de mama. Embora estes tumores sejam mais agressivos, estas pacientes se beneficiam da existência de um alvo terapêutico e da disponibilidade de uma terapia-alvo. Para estas pacientes, a terapia anti-Her-2 é obrigatória, seja na adjuvância (tratamento pós-operatório para tentar...
Determinação do prognóstico do câncer de mama
Fazem parte da determinação prognóstica do câncer a avaliação da extensão da doença (denominada de estadiamento) assim como a caracterização adicional da presença ou ausência de determinadas proteínas (testadas pela técnica denominada imunohistoquímica) ou a presença exacerbada de determinados genes. Além disso, a doença tem de ser necessariamente colocada no contexto da idade e comorbidades da paciente, seu suporte familiar e estrutura de apoio. Estadiamento (avaliação da extensão da doença) A extensão do câncer de mama tem de ser avaliada em todos os casos, pois ajuda a determinar a melhor estratégia de tratamento. O estadiamento leva em consideração o tamanho do tumor na...
1